12/02/2011- Hoje recebi um QUADRINHOFONE do mestre LAERTE, ganhei o dia e uma boa lembrança pro resto da vida. Valeu Laertón!

7 comentários:

Verônica Couto disse...

Sensacionais os dois. A HQ Memória de Elefante, e o Quadrinhofone.

Alexandre Teles disse...

Da hora. Parabéns de novo.
Abraço

GOMES disse...

grande Caeto!!

mateusgandara disse...

Que maneiro! Também a pouco li teu Memória de Elefante. Acerca dele, a exemplo do Laerte, vou te mandar um Quadrinhomail em breve. Teus desenhos tão ficando mais bonitos. Parabéns meu caro!
Grande Abraço!

Guto Respi disse...

maravilha Caeto!
uma honra hein?!
merecida

Abs!

Gus disse...

Fala Caeto! Estive lá na Cultura e conversei contigo na hora dos autógrafos. Terminei de ler seu livro. Retrato de uma geração, como disse o Laerte, retrato dos meus anos recentes e pra mim soa também como um esforço de não perder a memória nesses dias tão rápidos e confusos que vivemos. Tenho medo ao perceber que não lembro de coisas de 2, 3 anos atrás e ao desenharmos, de alguma forma, retemos algo e tentamos extrair algum sentido em meio a bagunça.

Me identifiquei em diversos pontos. Da fase de vida perdida sem sentido, dos primeiros trabalhos de ilustrador caindo em uma ou outra editora e descobrindo que dava pra ganhar dinheiro ilustrando. Do namoro com alguém estável como contraponto pra um espírito inquieto até, como te disse na fila, a morte do pai como... bom ,não sei como o que, mas como o Moon disse, após a morte de um pai um ciclo se fecha e a gente fica sabendo talvez um pouco melhor como somos, o que herdamos e o que não queremos repetir nos erros e acertos...

A imagem do teu pai dando um foda-se sorrindo é a imagem do meu também. O dele talvez tenha sido um foda-se chorando, mas tinha alguma sabedoria ali, alguma noção de que talvez determinadas lutas e construções de sentido pra vida que perdemos tanto tempo não valessem a pena.

Ainda tou digerindo a morte do meu. Queria compartilhar contigo a HQ que me fez retomar a vontade de fazer quadrinhos após a morte dele.

Tá aqui: http://www.gusmorais.com/2010/12/10/5-privilegios/

Com muito menos cuidado estético e uma vontade muito mais urgente de me livrar da história... não sei se aguentaria tanto tempo como você encarando tanta coisa pesada. Te parabenizo pela puta obra que fez e como pessoa também.

Um grande abraço,
Gus

TercioRNA disse...

É isso ae, parabéns, cara!